AMARELINHA

Por Fernanda Mello**

Li outro dia que amar é igual brincar de Amarelinha. Entre o Céu e o Inferno existem apenas alguns passos. Acho que é verdade. Quando o assunto é vida a dois, tudo depende se você vai acertar – ou não – a casa certa. Diariamente. É um trabalhinho lindo e complicado. Dividir a casa, comida e a roupa lavada. Dividir amor, décimo terceiro, sonhos, garagem e banheiro. Dividir as gavetas daquele closet pequeno demais. Dividir os medos. Dividir os silêncios. As realidades. Guardar pequenos segredos. Pensamentos. E tristezas mal-resolvidas. Ninguém é feliz o tempo inteiro. Mesmo porque conviver é difícil e dividir contas e ansiedades não tem nada de poesia. Mas tudo na vida é escolha. E aprendizado. Cada um escreve à sua maneira e tem alguém por aí que pode ser capítulo. Ou introdução. Depende do espaço que você dá. E de como alguém vai escrever história em você.

Por isso resolvi: quero um armário grande no meu apartamento.

Para dividir espaços (e novas linhas)…    

Foto: Juliana Vaz

**Fernanda Mello: E quem eu sou? Bom, eu sou letra. Música. Paz. Amor. Palavras. Gatos. Uma pá de tatuagens espalhadas.  E muito rock´n roll! Para ser mais exata (ou, para quem não me conhece): meu nome é Fernanda Mello, sou escritora e compositora e vou estar aqui, no blog da Zás, escrevendo sobre o amor. A vida. E o feminino. Espero que curtam!

 

Sem Respostas sobre “AMARELINHA”

Você precisa estar Logado para postar uma opinião.